Plantio e poda de árvores contempla diferentes regiões

Diversas espécies são plantadas regularmente nas áreas públicas, e também doadas à população

Mesmo com os impactos causados pela pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura de Londrina segue desenvolvendo uma série de ações em prol do meio ambiente e de cuidados com a cidade, incluindo os serviços de plantio de árvores, doação de mudas, erradicações de árvores comprometidas, remoção de tocos e replantios, que atendem diversos bairros e localidades. Apesar da necessidade recente de redução nas equipes operacionais atuando em campo, a Secretaria Municipal do Ambiente (SEMA) realizou, de janeiro até maio de 2020, o plantio de mais de 1.600 árvores, erradicação de aproximadamente 1.500 árvores comprometidas, com equipe própria e terceirizada, e poda de mais de 2.700 unidades, além de destoca e replantio de mais de 900 árvores. Nesse período, também foram plantadas 9 mil flores em canteiros, rotatórias e outros espaços públicos.

Em maio deste ano, foram plantadas cerca de 600 árvores em diferentes regiões do município. O serviço de erradicação somou mais de 250 registros, entre operação de equipe própria da SEMA e empresa terceirizada, e foram podadas em torno de 300 árvores, além de trabalhos como abates, recolhimento de árvores secas e galhos. Outros 300 tocos de árvores foram removidos e novas mudas plantadas em seus lugares.

Entre todos estes serviços, foram atendidos vários bairros, dentre os quais o Milton Gavetti, Nova Esperança, Violim, Piza, Ouro Branco, Campos Verdes, Vila Brasil, Luis de Sá, Monterrey, Parigot de Souza, Santa Rita, Interlagos, Ideal, Vila Casoni, São Pedro, Quebec, Bandeirantes, Tókio, Califórnia, Leonor, Acapulco, João Paz, Sebastião de Melo, Pacaembu, Vivi Xavier, Guanabara e Gleba Palhano. Também são atendidos distritos e patrimônios como Warta, Paiquerê, Irerê, Regina e Espírito Santo.

De acordo com a gerente operacional da diretoria de Áreas Verdes da SEMA, Alaíde Mateus de Souza, hoje o Viveiro Municipal, espaço onde procede o recebimento, a manutenção e a distribuição de mudas de árvores, conta com estoque total de 4.600 unidades aproximadamente. “O montante é utilizado para as ações regulares de arborização urbana, com plantio em espaços como praças e prédios públicos, escolas, unidades de saúde, nos bairros, canteiros, entre outros pontos. A SEMA também recebe muitas mudas como compensação ambiental por empreendimentos que removem árvores dos terrenos onde realizam obras e intervenções, garantindo que novas árvores sejam plantadas”, disse.

Além dos plantios, recuperações e manutenções, a SEMA também realiza a doação mensal de 1.800 mudas de árvores, em média, para a população que deseja fazer o plantio em frente de suas casas ou imóveis. “A doação é de uma a três mudas, em média, por pessoa, conforme a análise do espaço de fachada e característica da calçada do interessado. Este volume pode ser maior, caso seja um terreno grande, por exemplo. Para adquirir as mudas, as pessoas devem entrar em contato com o Viveiro Municipal, que realiza um registro e avalia a possibilidade de doação”, detalhou a gerente.

Para todos os trabalhos desenvolvidos, que tornam a cidade mais bonita, agradável e saudável, o Município utiliza árvores de espécies e portes variados, como Ipê Branco, Manada da Serra, Resedá Gigante, Jacarandá, Ipê Amarelo, Ipê Roxo, Escova de Garrafa, Alecrim de Capina, Canelinha, Sakura, Chal-chal, Quaresmeira Rosa, Sibipiruna, Oiti, Plátano, Dedaleiro, Resedá Pequena, Angico, Tipuana, Barbatimão, Quaresmeira Roxa e Árvore da China.

Equipes reduzidas – Com uma menor mão de obra para realizar as atividades, a capacidade de atendimento da SEMA para estes serviços diminuiu aproximadamente 40%, em relação ao rendimento regular, uma vez que muitos dos servidores integram o grupo de risco da Covid-19, seja por doenças crônicas ou idade, e não podem sair para trabalhar. Os servidores que continuam em atividade, dividem os trabalhos entre as ações externas nas áreas urbanas e nos serviços de manutenção do Viveiro Municipal.

Além disso, também foi reduzida a atuação por meio do convênio com o Centro de Reintegração Social de Londrina (CRESLON), que existe há cerca de um ano para diferentes serviços da SEMA. Antes, cerca de 15 apenados estavam participando das ações, e agora apenas metade deles pode continuar exercendo as tarefas.

Matéria: N.Com

Matheus Nani

Jornalista formado pela Unopar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: