Marcelo Belinati chama atenção para os números crescentes da Covid-19

No último domingo (13), boletim diário da Prefeitura registrou o maior número de casos ativos da doença, desde início da pandemia em março do ano passado

O prefeito Marcelo Belinati chamou a atenção da população para os números crescentes da pandemia da Covid-19 em Londrina, no Paraná e em todo o Brasil, na live semanal realizada no último domingo (13).  Durante a transmissão, veiculadas nas rede sociais do Município, o prefeito esteve acompanhado pelo secretário municipal de Saúde, Felippe Machado.

Segundo o prefeito, no domingo, o município de Londrina registrou o maior número de casos ativos da doença, desde início da pandemia em março do ano passado. Ontem, o boletim diário apresentou 1.267 casos ativos da doença, ou seja, pessoas que ainda estão no período de transmissão. Dessas, 1.007 estão em isolamento domiciliar e 260 estão internadas, sendo 138 em leitos UTIs e 122 em leitos de enfermarias.

Somente na última noite, Marcelo informou que oito pessoas foram entubadas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Sabara. Também há 54 pacientes internados na UPA, esperando a desocupação de leitos em hospitais, para que possam ser transferidos. “Sem contar que os hospitais que estão com 100% dos leitos ocupados, tanto para o sistema público quando para o privado. Além disso, neste momento estamos registrando muitos casos graves, em pessoas jovens, de 20, 30, 40 e 50 anos”, apontou.

O prefeito frisou ainda que o país vive o pior momento da pandemia. Por isso, ele pede para a população se cuidar, com o uso máscaras de proteção, com a lavagem constante das mãos, utilizando o álcool em gel 70%. Marcelo também pediu para que as pessoas não façam festas ou reuniões familiares e só saiam para o essencial. “Fizemos, em Londrina, uma das maiores ampliações de leitos de todo o Brasil. Mas não tem mais para ampliar, porque não há profissionais especialistas, nesta área, para contratarmos. Por isso a importância da colaboração de todos. Os profissionais de saúde estão sofrendo desgastes físicos e emocionais, enquanto ainda há uma parcela da população que não acredita na doença”, reforçou.

O prefeito destacou, ainda, que a vacinação está avançando e que Londrina tem vacinado, contra a covid-19, uma média de 3 mil pessoas por dia. “Se tivéssemos mais dose estaríamos vacinando muito mais, pois temos estrutura para isso. A vacinação em Londrina está dando exemplo para todo o Brasil, pela excelente estrutura montada, que permite a rápida imunização, sem filas e aglomeração”, enfatizou.

Ocupação de leitos – No momento há 1.057 pacientes aguardando internação em leitos de Covid-19, seja de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ou de enfermaria, em todo o Paraná, sendo 113 na Macro Norte, região de Londrina; 228 na Macro Oeste, região de Cascavel; 267 na Macro Noroeste, região de Maringá; e 449 na Macro Leste, região de Curitiba.

Média Móvel – Os dados também apontam que houve um aumento na média móvel de casos em Londrina. Foi registrada uma média móvel de 397 novos casos por dia, com relação aos últimos sete dias. “Se comparado a 14 dias anteriores, tínhamos 251 casos, isso mostra que realmente houve uma elevação no número de casos positivos. Estamos com a maior taxa de positividade, neste momento, de 45%, ou seja, a cada 10 exames feitos, mais de quatro positivam”, explicou Machado.

Índice de transmissão – O R0, indicador que mede a velocidade da pandemia, também subiu, de 1,14, na semana anterior, para 1,17, também demonstrando que a pandemia está em aceleração. Esta é a quarta semana, consecutiva, que o número aumenta. Significa que cada 100 pessoas com Covid-19 vão transmitir o vírus para outros 117 cidadãos. Quando este índice está abaixo de 1, demonstra uma desaceleração da pandemia e, acima de 1, que está em aceleração.

Casos positivos – Sobre os casos positivos por mês, junho já registra, 4.950 casos até o dia 13. Janeiro ainda é o mês que registrou maior número de casos positivos, com 8.688, seguido por março, com 8.121 casos. O mês de maio foi finalizado com 6.502 casos positivos. “É importante salientar que a gravidade dos casos, atualmente, é muito maior do que nos meses anteriores. As pessoas estão evoluindo rapidamente para um cenário grave”, disse o prefeito.

Óbitos – Também foi apresentado, na transmissão ao vivo, o quadro de casos e de óbitos por faixa etária, de todo acumulado da pandemia, em Londrina. Entre pessoas com 0 a 9 anos foram 1.722 casos confirmados (2,75% dos casos) e nenhum óbito; de 10 a 19 anos, 4.388 casos (7,01% dos casos) e nenhum óbito; de 20 a 39 anos, 25.960 casos (41,47% dos casos) e 71 óbitos (4,52 % dos óbitos); de 40 a 59 anos, 21.136 casos confirmados (33,76% dos casos) e 326 óbitos (20,75% das mortes); mais de 60 anos, foram 9.395 casos (15,01% dos casos) e 1.174 mortes (74,73% dos óbitos).

O secretário Felippe Machado apontou que os dados demonstram que a faixa de idade dos 60 anos apresentou uma redução no número de óbitos, por conta da vacinação nesta faixa etária. Ele também explicou sobre a morte de uma criança de 12 anos, com suspeita de ter sido em decorrência da Covid-19. “Este óbito ainda não foi inserido em nossos dados por que ele ainda está em investigação, pela equipe médica da Vigilância Epidemiológica”, disse.

Boletim – O boletim do último domingo (13), apontou 40 novos casos confirmados de coronavírus no dia, com um acumulado de 62.601 casos, desde o início da pandemia. Não houve nenhum caso curado, neste dia, de um acumulado de 59.763. Ontem (13), foram registrados três óbitos. O acumulado de óbitos, desde o início da pandemia, é de 1.571.  

“Estamos, neste momento, com 1.267 casos ativos da doença, ou seja, pessoas que ainda estão no período de transmissão. Dessas, 1.007 estão em isolamento domiciliar e 260 estão internadas, sendo 138 em leitos UTIs e 122 em leitos de enfermarias. São pacientes do SUS, dos convênios e particulares, residentes em Londrina”, informou o secretário Machado. 

Ocupação de leitos – Durante a live foi exibida, ainda, a taxa de ocupação de leitos do município. A ocupação de leitos de enfermaria, entre os do SUS e do sistema privado, é de 57%, e da UTI geral é de 94%. Dos 339 leitos de UTI disponíveis em Londrina para adultos, 320 encontram-se ocupados. Já a ocupação da UTI pediátrica é de 55%, ou seja, dos 71 leitos disponíveis, 39 estão ocupados neste momento.

Com relação os leitos do SUS, exclusivos para covid-19, dos 196 leitos disponíveis de enfermaria, 162 estão ocupados (82%). Já a taxa de ocupação dos leitos de UTI é de 100%, ou seja, todos os 146 leitos disponibilizados estão ocupados. Sobre as UTIs pediátricas dos SUS, dos 14 leitos existentes, dois estão ocupados neste momento (14% de ocupação).

Vacinação – Com relação ao número de pessoas vacinadas em Londrina, até as 23h do domingo (13), o município registrou 166.525 londrinenses vacinados com a primeira dose, dos quais 86.187 também receberam a segunda dose.

Testagem – Até agora, foram feitos 188.282 testes, do tipo RT-PCR, que é considerado o padrão ouro para o diagnóstico da Covid-19. Do total de testes realizados, 62.601 foram confirmados, 125.602 descartados e 79 estão aguardando o resultado. 

Atendimento Covid – Durante a live, o prefeito lembrou que o município ampliou, desde a semana passada, o número de Unidades Básicas de Saúde (UBSs) voltadas ao atendimento de pacientes com síndromes respiratórias, ou seja, com suspeita de Covid-19, para desafogar as UPAS.

No momento o atendimento está sendo feito em nove UBSs: Milton Gavettti, Chefe Newton e Maria Cecília (região norte); Ernani Moura Lima e Vila Ricardo (região leste); Vila Casoni e Guanabara (centro); Bandeirantes (oeste); e San Izidro (sul).

Embora a UPA do Sabará, na região oeste, continua sendo referência para estes casos, a orientação da Prefeitura é que o paciente se dirija, preferencialmente, a estas UBSs, em caso de sintomas da Covid-19.

Com N.Com 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: